A curiosidade sobre volumetria e jurimetria tem aumentado entre profissionais de Direito. Especialmente em função do maior entendimento que podem proporcionar acerca dos processos e do comportamento do próprio Poder Judiciário.

Apesar de os conceitos não serem novos, faz pouco tempo que a área jurídica tem demonstrado maior interesse por eles. Até então, havia pouca preocupação com os dados numéricos dos processos e pouca importância se dava aos possíveis usos que podem ser delegados a eles. Portanto, praticamente não havia o interesse em saber quantas decisões desfavoráveis haviam para casos judiciais com o mesmo tema, por exemplo. Agora, há departamentos jurídicos e escritórios de advocacia que não tomam decisões sem antes olhar para os dados. O que foi que mudou?

Uma promessa da jurimetria é a possibilidade de fazer previsões, ou seja, de profissionais de advocacia poderem olhar para as estatísticas e extrair delas a informação sobre qual será a possível decisão de um determinado Juiz em um processo com base na análise de tendência de julgamento desse magistrado.

É por essa razão que quando se apresenta o conceito de jurimetria, diz-se que se trata de uma análise de dados para gerar respostas para perguntas como:

  • Qual é a duração aproximada de um processo?
  • Quais são as chances de haver um parecer favorável em determinada demanda jurídica?
  • Deve-se seguir a certa demanda até o fim do trâmite no Judiciário ou é mais vantajoso propor um acordo?

Nesse sentido, a volumetria poderia ser resumida como a apresentação da compilação dos números. Quantos processos foram abertos no último mês? Quantas ações tiveram decisões desfavoráveis em uma determinada comarca? Esse é o tipo de informação que se extrai a partir da volumetria.

Mas, será que é possível resumir a diferença entre volumetria e jurimetria a esses conceitos? Ou há outros entendimentos sobre o que é volumetria e o que é jurimetria? Entender cada uma separadamente, talvez, torne mais fácil compreender as diferenças entre ambas.

O que é volumetria e jurimetria?

Tanto a jurimetria quanto a volumetria tem os dados como base. Entretanto, na volumetria as análises realizadas são mais quantitativas. Assim, referem-se mais ao volume total de processos, processos distribuídos, total de processos arquivados, etc.

Já à jurimetria cabem as análises mais profundas. Em vista disso, os dados jurimétricos podem ser entendidos como aqueles que tornam possível fazer comparações entre juízes, por exemplo, a respeito de como cada um entende cada assunto processual. 

Por vezes, os dados que possibilitam as análises de volumetria e jurimetria originam-se de informações públicas das ações judiciais, ou seja, são coletados diretamente dos Tribunais que mantêm as informações dos processos em ambiente eletrônico.

A Jurimetria, então, utiliza os fatos e decisões para reconhecer padrões e determinar as regras jurídicas das análises. Em resumo, como as situações vividas no meio jurídico ocorrem na prática. 

Geralmente são os estatísticos e/ou cientistas de dados os responsáveis por localizar os dados em Tribunais ou softwares de gestão jurídica, por exemplo, organizá-los para formar a base de análise e transformá-los em variáveis possíveis de serem visualizadas e facilmente compreendidas. 

Alguns departamentos jurídicos e escritórios de advocacia já possuem um estoque próprio de dados volumétricos em função do vultuoso número de processos que gerenciam. Nesse caso, todo o escopo do projeto de jurimetria é feito de forma customizada.

Contudo, quando o departamento ou o escritório não possui um número tão grande de informações acerca dos processos, os números não chegam a ser suficientemente expressivos para poder embasar decisões. Mediante isso, o trabalho a ser feito para tornar possível a análise em profundidade da jurimetria é mais amplo.

O que é melhor para o Direito: volumetria ou jurimetria?

Os departamentos jurídicos e os escritórios de advocacia podem usar tanto a volumetria quanto a jurimetria em suas estratégias jurídicas. A utilização de uma ou de outra depende mais dos objetivos da empresa e do negócio jurídico do que do entendimento do que é melhor para o Direito. Afinal, cada uma utiliza os dados com um propósito diferente.

Dessa maneira, afirmar que usar a volumetria é melhor do que a jurimetria e vice-versa seria quase como dizer que o propósito ou estratégia de uma empresa ou escritório é melhor do que o propósito ou estratégia de outra empresa ou outro escritório quando, na verdade, tratam-se apenas de ferramentas diferentes e que servem a estratagemas distintos.

Sendo assim, não há qualquer necessidade de julgar volumetria e jurimetria como uma sendo melhor para o Direito do que a outra. Ambas são ferramentas à disposição de profissionais de advocacia interessados em transformar os dados em subsídio para mudar a forma como veem e praticam a advocacia.

Enfim, são meios de gerar informações que convertem-se em conhecimento. Um conhecimento capaz de fomentar melhores decisões. 

No entanto, caso ainda persista a dúvida sobre se é a jurimetria que atende mais às demandas do departamento jurídico ou do escritório de advocacia, algo que pode ser feito para saná-la adquirir maior conhecimento sobre ela no eBook Jurimetria e a evolução do departamento jurídico. O conteúdo pode responder não só a essa questão como a muitas outras perguntas a respeito da jurimetria.